Testemunho Interior

Home Artigos Notícias Quem Somos Testemunhos Opinião Bíblia Sagrada Estudos Bíblicos WebRádio Editora

Testemunho Interior

Pois tudo o que há no mundo - a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens – não provém do Pai, mas do mundo. 1 João 2:16

Deus é espírito e deseja que o adoremos em espírito e verdade. Afinal, foi para isso que fomos criados, para adorarmos o nosso Pai. Mas não é o que fazemos, nossas vontades estão na maioria das vezes, voltados para os desejos da carne.

Porque bem sabemos que a lei é espiritual; eu, todavia, sou carnal, vendido à escravidão do pecado. Mas vejo nos meus membros outra lei que batalha contra a lei do meu entendimento e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros. Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte? Romanos 7:14,23,24 

Sendo a carne consciência do mundo. É a nossa parte física que nos impulsiona para o pecado.

Pois tudo o que há no mundo - a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens - não provém do Pai, mas do mundo. 1 João 2:16

Já nosso espirito não, ele é a consciência de Deus, é o que nos liga ao Senhor. É por isso que devemos sempre está exercitando-o e permitindo que o Espírito Santo faça do nosso corpo o seu templo.

Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Romanos 8:1

Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus. 1 Coríntios 6:19-20

Entre nosso Espírito e a nossa carne esta a alma, ela é a responsável pelas as escolhas, desejos, vontades e emoções. A alma que determina se andaremos segunda a carne ou, segundo o Espírito. Entre as obras da carne...

Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, fornicação, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Gálatas 5:19-21

Do outro lado as obras, ou melhor, os frutos do Espírito...

...Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito. Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros. Gálatas 5:22-26

Devemos levar uma vida Espiritual, vivendo vinte e quatro horas na presença do Senhor, fazendo de nossas vidas um culto diário.

Assim...

... O Senhor está convosco, enquanto vós estais com ele; se o buscardes, ele se deixará achar; porém, se o deixardes, vos deixará. II Crônicas 15:2-b.

O Senhor se agrada quando nós buscamos a Sua presença e a Sua glória. E como atendeu aos pedidos dos seus profetas, Ele também nos atenderá!

...Buscar-me-eis e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração. Jeremias 29:13

Devemos permitir que Deus guie nossas vidas para que não percamo-nos e perecemos no meio do caminho. Ele é a nossa bússola. Devemos aprender a ter a sensibilidade Espiritual para ouvir o que Deus esta falando. Nem sempre é preciso que alguém aponte. Quando estamos em Espírito conseguimos compreender a mensagem de Deus no nosso testemunho interior, passado pelo Espirito Santo.

Eu pessoalmente tive algumas experiências com testemunho interior, citarei apenas uma, e talvez a mais marcante que Deus já proporcionou na minha vida.

No inicio do ano de 2013, mais expressivamente no mês de fevereiro, minha mãe, mais conhecida por todos como Dona Nilma, deu entrada no hospital sentindo muita falta de ar, foi preciso uma cadeira de rodas, tamanha era a gravidade. Sendo atendida foi diagnosticada água no pulmão.

Medicada, não sentia mais a falta de ar, o médico achou melhor fazer um cateterismo e verificar se havia alguma obstrução nas artérias. Para nossa alegria, nada foi constatado. Devido o exame, teve que ficar em observação até o dia seguinte.

Naquele mesmo dia, alguns familiares estiveram no hospital para visita-la. Estava tudo bem, até conversei com o médico que afirmou que não havia motivos para se preocupar. Então fomos embora.

Foi ao chegar em casa que tudo aconteceu. Sr. Euclides, meu pai, ligou avisando que havia recebido uma ligação do hospital dizendo que o caso da minha mãe tinha se agravado.

- Mas como? Perguntei - Acabamos de sair do hospital e ela estava ótima.

- Também não sei, o funcionário do hospital apenas falou que o estado dela havia agravado e era necessária a presença de familiares. Respondeu meu pai muito nervoso. – Falei com o seu irmão, ele vai passar ai para pega-lo – finalizou.

No principio imaginamos que fosse algum engano, que não se tratava da minha mãe. Não demorou muito e meu irmão mais velho, Fernando, chegou e juntos, nos deslocamos até o hospital. No caminho, dentro do carro, silêncio total, até podíamos escutar a respiração um do outro.

Chegando, entrei para vê-la. Foi o maior choque da minha vida, ao vê minha mãe naquele estado. Ela tinha sofrido oito paradas cardiorrespiratórias, precisou ser reanimada com quatros choques de desfibrilador. Ficou desacordada por aproximadamente quinze minutos.

Questionei o médico sobre o que ocorrera. O que levou a ter essa parada cardíaca, mesmo havendo uma predisposição devido a sua patologia de cardiomegalia. Se houve imprudência ou erro médico, até sugerir a anestesia do cateterismo. O médico negou todas essas possibilidades e suas explicações não foram muito convincentes, utilizou uma linguagem muito técnica. Sair e chamei o meu irmão. Quando se aproximou do leito perguntou:

- Cadê a mãe?

Não percebeu que estava parado ao seu lado.  Não reconheceu. Naquele estado não seria fácil. Nilma estava desfigurada, cheios de aparelhos, tubos e sondas. Então me virei para ele e respondi:

 - Essa é a nossa mãe. Apontando.

As lágrimas tomou conta dos nossos rostos, a angústia, a tristeza e o desespero eram visíveis.

Permanecemos um tempo, mesmo sabendo que não poderíamos fazer algo, nos restava apenas esperar e entregar nas mãos de Deus. Então saímos do Pronto Socorro. Já do lado de fora do hospital meu irmão muito triste, perguntou:

- Não tem mais jeito, né?

- Tem sim, a mãe vai sair dessa, você vai ver! Respondi.

Entramos dentro do carro no mesmo silencio que chegamos. E sabíamos que quando chegasse em casa seria outra batalha, informar o meu pai.

Chegamos e demos um tempo do lado de fora, meu primo aconselhou a não dizer a verdade, ir com calma. Então subi e chamei o pai para o quarto, sentamos na cama e disse tudo o que tinha ocorrido. Muito apavorado, falou.

- Pode dizer a verdade, a sua mãe morreu?!

- Não, não morreu e não vai morrer!

Fui para a minha casa, entrei sem falar com ninguém, (esposa e filhas), fui direto para o meu quarto, fechei a porta e orei. No dia seguinte acordamos cedo e fomos ao hospital, Nilma não estava mais no pronto socorro, tinha sido transferida para a UTI.

Antes de subir até a [UTI], conversei com o médico que atendeu da primeira vez e perguntei:

- Doutor o que realmente aconteceu, qual foi o motivo, seja sincero, tem explicação?

Ele se aproximou de mim, olhou bem nos meus olhos e respondeu:

- Não, não tem explicação, poderia listar várias hipóteses, mas seriam apenas hipóteses, sua mãe sofreu oito paradas cardiorrespiratórias, levou quatro choques para reanimá-la, aproximadamente quinze minutos desacordada (morta).

Subi até a UTI, ela estava sedada, com a temperatura da cama baixa para preservar o cérebro, entubada e se alimentando via sonda.

Voltei em outro horário junto com o meu irmão Fernando. Quando nos aproximamos do leito, naquele exato momento a sedação estava perdendo o seu efeito, Nilma acordou e quando viu a nós dois deu um pulo, começou a tremer pela baixa temperatura, foi nessa hora que vi o quanto ela é guerreira e que não desiste. A enfermeira correu e aplicou outra dose de sedação.

No segundo dia Nilma ainda permanência sedada, entubada e alimentando via sonda. E foi a primeira vez que Deus me usou para entregar uma mensagem.

- Mãe, Deus manda dizer que está contigo e que a senhora vai sair dessa. Para que o seu testemunho glorifique o nome do Senhor.

Tua é, Senhor, a magnificência, e o poder, e a honra, e a vitória, e a majestade; porque teu é tudo quanto há nos céus e na terra; teu é, Senhor, o reino, e tu te exaltaste por cabeça sobre todos. E riquezas e glória vêm de diante de ti, e tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e na tua mão está o engrandecer e o dar força a tudo. Agora, pois, ó Deus nosso, graças te damos, e louvamos o nome da tua glória. Porque quem sou eu, e quem é o meu povo, para que pudéssemos oferecer voluntariamente coisas semelhantes? Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos. Porque somos estrangeiros diante de ti, e peregrinos como todos os nossos pais; como a sombra são os nossos dias sobre a terra, e sem ti não há esperança. 1 Crônicas 29:11-15

Vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor, e meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois e mim nenhum haverá. Isaías 43:10

Nossa preocupação era enorme, pois ela ainda corria risco de morte. Permanecia na UTI e sem nenhuma previsão. Somente Deus poderia mudar esse quadro. Sabia que foi Ele que não permitiu que ela partisse e sabia que só Ele poderia tirá-la dali. O inimigo estava muito furioso e queria de qualquer forma matá-la.

...O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; João 10:10

Minhas orações tornaram mais constantes e na maioria das vezes no banheiro do hospital.

No terceiro dia, já acordada, não falava devido aos tubos. Combinei que se estivesse me ouvindo que piscasse os olhos e assim a nossa conversa se conduzia.

Á noite em casa sozinho, esposa e filhas tinham ido a uma campanha na casa de uma irmã, coloquei um louvor e comecei a orar, adorar, exaltar ao meu Senhor, estava cheio da unção, olhei para o centro da minha sala via lavareda de fogo.

Mesmo sabendo que Deus estava no controle de tudo, fui para igreja no final de semana, me entreguei verdadeiramente a Ele com o meu coração quebrantado. Mas nada me falou, fui para casa um pouco triste, mas muito fiel ao meu Senhor, porque mesmo estando em silencio eu sabia que estava trabalhando.

Não importa o que eu esteja passando. Sempre Louvarei a ti, Senhor!

Dormir e no dia seguinte acordei com o grito muito alto nos meus ouvidos, que dizia:

- Ela está curada!

E foi nesse momento que tive o prazer de ouvir o Espírito Santo falando comigo. Para mim era uma voz bem audível. Foi a minha primeira experiência com o testemunho interior.

Aqui encerra o relato sobre o meu testemunho interior, quando pude ouvir a voz do Espirito Santo. Mas a história não termina aqui, continuarei, afinal, é para honra e a glória de Deus.

Pois bem, naquele momento até me assustei. Levantei, me arrumei e corri para o hospital, quando cheguei à porta da UTI não permitiram que eu entrasse:

- Por que, o que houve? Perguntei nervoso e preocupado.

- Calma, nada aconteceu, ela apenas está sendo desentubada.  Respondeu a enfermeira.

Então corri para o meu refúgio, prostrei-me e agradeci ao meu Deus!

As minhas orações continuavam, jamais baixaria minhas armas. A a arma do Cristão é a oração. Até resolvi fazer um propósito com Deus para que minha mãe saísse logo do hospital. E numa quarta feira na igreja o pastor falou:

- Irmãos, tem alguém aqui que fez um propósito com Deus, quem é essa pessoa?

Ninguém respondeu. Ele insistiu.

- Eu não gosto de apontar, mas terei que fazer se você não se revelar, quero te entregar a sua benção.

Mesmo assim eu não tomei nenhuma iniciativa, não havia convicção de que era eu.

Mas de repente ele se vira, aponta na minha direção e diz:

- Irmão vem receber a sua benção!

Nessa hora não sabia o que falar, as lágrimas começaram a escorrer pelo rosto. Como esse Deus é maravilhoso!

No vigésimo dia, Nilma ainda internada, virou-se para mim e disse:

- Pede para Deus me tirar daqui!

Olhei bem nos seus olhos e respondi:

- Pede você, eu tenho a certeza de que Ele vai te ouvi!

O impressionante foi que ela pediu, e o mais surpreendente é que após fazer o pedido a médica entrou na sala e disse:

- Dona Nilma, a senhora vai sair daqui hoje!

Realmente ela saiu da UTI e foi para o quarto, no dia seguinte teve alta.

Hoje abro mão de tudo, para somente adorar, ao meu Senhor!

Postar um comentário

0 Comentários

Testemunho Interior - Se Creres Notícias Gospel